quarta-feira, 31 de março de 2021

sexta-feira, 5 de junho de 2020

Análise técnica do Ibovespa (05 de junho de 2020).



Aviso/Disclaimer: As informações contidas neste espaço são apenas estudos ou opiniões pessoais e não representam, de maneira alguma, recomendações de investimento, isentando o autor de de qualquer responsabilidade resultante da tomada de decisão financeira com base no conteúdo aqui apresentado.

Desde 23/03/2020 (quando atingiu a mínima no ano por conta dos primeiros desdobramentos devido à Covid-19) percebe-se uma recuperação do Ibovespa, que vem desde então sistematicamente apresentando topos e fundos cada vez maiores, e desde 14/05/2020 vem apresentando um canal de alta de curtíssimo prazo, cujo suporte se encontra no entorno dos 90.000 pontos que, se rompido, deve perseguir o suporte do nível do último topo formado, aos 83.400 pontos. Se respeitar este suporte então pode ganhar força para buscar a resistência dos 100.000 que, se rompida, pode levar os preços de volta ao patamar dos 108.800 e a seguir aos 120.000. 

O índice de força relativa aos 73,50 combinados com alargamento das bandas de Bollinger com preços tocando a borda podem sugerir o início de uma pequena lateralização, ou mesmo realização de lucros caminhando rumo aos 84.700 pontos (média móvel de 20 dias) muito embora a retomada da economia possa dar continuidade ao movimento, especialmente se romper a resistência dos 100.000. Vale notar que candle de hoje tocou a média móvel de 125 dias (6 meses), embora a figura sugira um pequeno martelo invertido, indicando um movimento de realização. 

Há que se lembrar que os números de óbitos da covid-19 tem registrado crescimento em um momento em que cidades começam a flexibilizar o isolamento. Se tais números continuarem em ascenção e um novo movimento de isolamento surgir isso pode conter os ânimos dos investidores e levar a uma realização de curto prazo vindo a testar os suportes.

Suportes: 90.000, 84.700, 83.400, 78.250, 75.400 e 68.700.
Resistências: 97.500, 100.000, 108.800 e 120.000.




domingo, 24 de maio de 2020

Rankings da Covid-19 por Estados do Brasil - 2020/05/24

[Clique nas imagens para ampliá-las!]

Casos confirmados acumulados da covid-19 por Estados do Brasil:



Casos confirmados acumulados por 1 milhão de habitantes da Covid-19 por Estados do Brasil:


Óbitos acumulados da Covid-19 por Estados do Brasil:


Óbitos acumulados por 1 milhão de habitantes da Covid-19 por Estados do Brasil:


sexta-feira, 12 de abril de 2019

Ganhos em operações a "seco" da compra de put da Petrobrás

Este post, de caráter apenas didático - bastante relacionado a um post recente (AQUI) - tem o propósito de ilustrar a possibilidade de um ganho extraordinário no mercado de opções (neste caso, opções de venda) envolvendo a compra a "seco" de opções de venda (puts) sobre ações que estão muito "fora do dinheiro". É bom lembrar e ressaltar que esta é uma das operações mais arriscadas para os investidores no mercado de opções (embora a perda máxima esteja restrita ao montante investido). Portanto, nem de longe estaria sendo considerada como uma possibilidade de investimento. Post didático.

No jargão do mercado de opções, a expressão "seco" refere-se à situação em que uma put é adquirida sem quaisquer travas que possam limitar as eventuais perdas caso ocorra uma revés na cotação da ação subjacente (que deixaria o trader em uma exposição bastante desfavorável). Por sua vez a expressão "fora do dinheiro" é uma referência que se faz às puts cujos preços de exercício são inferiores ao preço da ação subjacente no momento em que são adquiridas. Diversos fatores estão por trás do preço (prêmio) de uma put: o preço da ação subjacente, o preço de exercício, o tempo que falta para o vencimento (quando a opção é expirada e a partir de então perde o seu valor), a taxa de juros livre de risco e a volatilidade implícita do preço das ações subjacentes. Os modelos teóricos de apreçamento de puts (destacadamente o modelo Black-Scholes) baseiam-se não apenas nestes fatores mas também em probabilidades que estão relacionadas ao preço da ação subjacente. Quando se adquire uma put muito "fora do dinheiro", paga-se um preço muito baixo e em contrapartida a probabilidade de que o trader venha a alcançar ganhos significativos é muito baixa. Por isto muitos comparam (com razão) a compra a "seco" de puts muito "fora do dinheiro" a jogos de azar. De fato, como já foi mencionado no início deste post, não é nada recomendável a compra a "seco" de puts muito "fora do dinheiro". Mas existem algumas raras ocasiões em que a compra a "seco" de uma put "fora do dinheiro" pode propiciar uma exposição menor ao risco da posição. Tal foi o que ocorreu no pregão desta sexta-feira, 12 de abril de 2019, em que as ações da Petrobrás chegaram a cair mais de 8% (ao final do dia as ações registraram queda de 7,75%, passando de R$28,00 do fechamento da véspera para R$25,83 do fechamento de hoje), uma reação do mercado à suspenção do reajuste do diesel de 5,74%, anunciado ontem à tarde pela Petrobrás.

Tal movimento prociciou a oportunidade de ganhos de até 2.525% em operações envolvendo a compra a "seco" de puts sobre PETR4 "fora do dinheiro". Este ganho máximo foi propiciado pela compra de PETRP274, que na véspera (11/04/2019) fechou cotada a R$0,04 por ação (com vencimento em 15/04/2019, preço de exercício de R$ 26,75 e que é do tipo Europeia - i.e. pode ser exercida até a data de vencimento - e exatamente hoje encerram-se as operações deste papel) caso tivesse sido vendida ao preço máximo de R$ 1,05, alcançado hoje (12/04/2019). 

Se aquela moça que disse que tinha R$1.520,00 há 3 anos atrás tivesse aplicado em ações, e conseguisse uma taxa de 9,5% a.m., então teria ontem perto de R$40.000,00 e se lhe fosse possível alocar estes recursos na compra desta opção de venda no fechamento de ontem alcançaria, na máxima de hoje, R$1.050.000,00.

A Figura abaixo ilustra o payoff teórico, para o fechamento do dia 11 de abril de 2019 (ontem), desta put (PETRP274) baseado no modelo Black-Scholes (linha pontilhada em azul) e o payoff na data do vencimento, 15 de abril de 2019 (linha cheia em vermelho). Os parâmetros utilizados foram: preço de exercício igual a 26.75, tempo que falta para o vencimento igual a 5 dias, taxa de juros livre de risco (taxa Selic) igual a 6,5% e volatilidade implícita do preço da PETR4 igual a 30%.


Elaborado por Paulo C. Coimbra a partir de dados divulgados pela B3 e pelo Bacen.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Day trade da compra a "seco" de uma call "fora do dinheiro"

Este post, de caráter apenas didático,  tem o propósito de ilustrar uma operação de day trade envolvendo a compra a "seco" de opções de compra (calls) sobre ações que estão muito "fora do dinheiro". É bom ressaltar que esta é uma das operações mais arriscadas para os investidores no mercado de opções (embora a perda máxima esteja restrita ao montante investido). Portanto, nem de longe estaria sendo considerada como uma possibilidade de investimento. Post didático.

No jargão do mercado de opções, a expressão "seco" refere-se à situação em que uma call é adquirida sem quaisquer travas que possam limitar as eventuais perdas caso ocorra uma revés na cotação da ação subjacente (que deixaria o trader em uma exposição bastante desfavorável). Por sua vez a expressão "fora do dinheiro" é uma referência que se faz às calls cujos preços de exercício são superiores ao preço da ação subjacente no momento em que são adquiridas. Diversos fatores estão por trás do preço (prêmio) de uma call: o preço da ação subjacente, o preço de exercício, o tempo que falta para o vencimento (quando a opção é expirada e a partir de então perde o seu valor), a taxa de juros livre de risco e a volatilidade implícita do preço das ações subjacentes. Os modelos teóricos de apreçamento de calls (destacadamente o modelo Black-Scholes) baseiam-se não apenas nestes fatores mas também em probabilidades que estão relacionadas ao preço da ação subjacente. Quando se adquire uma call muito "fora do dinheiro", paga-se um preço muito baixo e em contrapartida a probabilidade de que o trader venha a alcançar ganhos significativos é muito baixa. Por isto muitos comparam (com razão) a compra a "seco" de calls muito "fora do dinheiro" a jogos de azar. De fato, como já foi mencionado no início deste post, não é nada recomendável a compra a "seco" de calls muito "fora do dinheiro". Mas existem algumas raras ocasiões em que a compra a "seco" de uma call "fora do dinheiro" pode propiciar uma exposição menor ao risco da posição. Tal foi o que ocorreu neste inédito pregão desta quarta-feira, 02 de janeiro de 2019, em que o Ibovespa ultrapassou pela primeira vez os 90.000 pontos embalado pela euforia do mercado com o início do governo Bolsonaro e pelas perspectivas de uma gestão pró-mercado da equipe econômica comandada pelo liberal "Chicago old" Paulo Guedes. Somente neste primeiro pregão do ano as ações preferenciais da Petrobrás (PETR4) subiram 6,08% (dentre as blue-chips a liderança coube à Eletrobrás, que chegou a subir 20%, dada a animação do mercado ante a expectativa de sua privatização). 

 A figura 1 apresenta dados intradiários de PETR4 (com cotações a cada hora)  e ilustra bem o movimento ascendente da ação ao longo do dia. 

Elaborado por Paulo C. Coimbra a partir de dados de PETR4 divulgados pelo site UOL Economia.

Tal movimento prociciou a oportunidade de ganhos superiores a 100% em operações envolvendo a compra a "seco" de calls sobre PETR4 "fora do dinheiro". Por exemplo, um trader que tivesse adquirido na abertura dos negócios - pelo preço de R$0,34 por ação - a call PETRA25 (sobre PETR4 com vencimento em 21/01/2019, preço de exercício de R$ 24,25 e que é do tipo Americana - i.e. pode ser exercida a qualquer momento até a data de vencimento) e tivesse vendido pelo último preço (R$0,83) teria alcançado um ganho de 144,4% nesta operação de day-trade. 

 A Figura 2 ilustra o payoff teórico, para a abertura do dia 03 de janeiro de 2019, desta call (PETRA25) baseado no modelo Black-Scholes (linha pontilhada em azul) e o payoff na data do vencimento, 21 de janeiro de 2019 (linha cheia em vermelho). Os parâmetros utilizados foram: preço de exercício igual a 24.25, tempo que falta para o vencimento igual a 19 dias, taxa de juros livre de risco (taxa Selic) igual a 6,5% e volatilidade implícita do preço da PETR4 igual a 40%.

Elaborado por Paulo C. Coimbra a partir de dados divulgados pela B3 e Bacen.

A figura 2 ilustra bem os riscos envolvidos nesta operação caso ocorra um revés nos preços da ação subjacente, PETR4. Se, coeteris paribus, a cotação de PETR4 cair R$1,00, passando a R$23,06 (uma queda de 4,16%) então PETRA25 iria, em teoria, passar a valer R$0,42 (uma queda ligeiramente superior a 50%). Além disso, na medida que o tempo passa e se aproxima da data do vencimento, a curva pontilhada e em azul vai se aproximando da curva cheia e em vermelho. 

Carregando a posição até o vencimento: se o preço de PETR4 na data de vencimento (21 de janeiro de 2019) não for superior à R$24,59 (o que requer uma valorização extra de 2,20%) então carregar a posição de compra a "seco" da call PETRA25 resultará em prejuizo. Se a cotação de PETR4 no vencimento for igual ou inferior a R$24,25 então o prejuizo será total.

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Um hipotético stradle às vésperas da queda do Facebook


A maior queda registrada em uma empresa negociada em bolsa de valores (em termos absolutos) ocorreu nesta última quinta, 26/07/2018. O Facebook registrou perdas de US$ 119,3 bihões, em decorrência dos resultados financeiros apresentados para o segundo trimestre. As ações caíram de US$ 217.50 para US$ 176.26 (ou 18,96%). Para se ter uma ideia aproximada do que esse valor representa, o valor de mercado da Petrobras está avaliado em US$ 74,5 bilhões! Uma das notícias mais alardeadas em função desta queda, foi a perda de US$ 15.4 bilhões de seu fundador e CEO, Mark Zuckerberg, que perdeu duas posições entre os mais ricos do mundo, passando ao 6o lugar com US$ 67.1 bilhões.

Mas, há que se observar o importante fato de que nesta sexta (27/07/2018) ocorrerá vencimento no mercado de opções. Um hipotético investidor que tivesse comprado nas proximidades do fechamento de quarta-feira (25/07/2018) opções de compra do Facebook com preço de exercício de US$ 215.00, pagando por elas US$ 7.65 por opção teria, ao final do pregão da quinta-feira (26/07/2018) apenas US$ 0.01 por cada opção (o que corresponde a uma desvalorização de 99,87%). Por outro lado, um hipotético afortunado que tivesse comprado opções de venda do Facebook com preço de exercício de US$ 185.00 por opção pagando a bagatela de US$ 0.13 por opção se deparou com incríveis 6.745,15% a mais em 24 horas, que passou a valer, no fechamento desta quinta US$ 8.90!

Para se ter uma ideia mais razoável do que estes números representam, consideremos os dados de fechamento desta quarta-feira (25/07/2018) e quinta-feira (26/07/2018) e suponhamos que um hipotético investidor dispusesse de cerca de US$ 21,750.00 na quarta-feira… Se tivesse comprado 100 ações do Facebook, teria acompanhado Zuckerberg e perdido 18,96% em 1 dia, passando a US$ 17,626.00 na quinta-feira. Mas, se ao invés disso tivesse utilizado os mesmos recursos e montado um stradle (que consiste na compra de opções de compra e na compra de opções de venda com mesmo preço de exercício) com preço de exercício de US$ 215.00, isto teria lhe custado US$ 12.27 por cada par de opções (as opções de compra poderiam ter sido adquiridas no fechamento por US$ 7.66 enquanto as opções de venda por US$ 4.61). Se fosse possível utilizar os mesmos US$ 21,750.00 (na realidade US$ 21,742.44) ele poderia ter comprando 1.772 opções de compra e outras 1.772 opções de venda na quarta e então, na quinta, o stradle estaria valendo US$ 38.86 (nesta quinta, as opções de compra passaram a valer US$ 0.01 e as opções de venda passaram a valer US$ 38.85), ou seja, US$ 68,867.48 (ganho de 216,63%)! Digamos que é como se tivesse trocado (nos EUA) um Jeep Compass - modern adventure por um BMW M3… nada mal, não é?! Assim é o mercado financeiro… tristezas de uns e alegrias de outros!






sexta-feira, 17 de março de 2017

Long Condor em Vale.

Condor é uma “operação alvo”, na qual, quando é montada, aposta-se que o preço do ativo subjacente se situará em um intervalo e não sofrerá grandes variações (positivas ou negativas) em relação ao intervalo alvo, nas proximidades da data do vencimento. 

Na prática, a montagem de um condor envolve quatro opções de compra (calls) com preços de exercício distintos. Consiste na compra de um lote das opções de compra com o menor preço de exercício e com o maior preço de exercício e na venda de um lote de cada uma das opções de compra com os preços de exercício intermediários, sendo que o alvo é o que o preço da ação se situe entre os preços das opções de compra com preços de exercício intermediários. 

Com a finalidade de ilustrar essa operação para os meus alunos do curso de Apreçamento de ativos, derivativos e riscos, ministrado na graduação de Ciências Econômicas da UFJF, eu acompanhei a montagem de um condor, com os dados do fechamento, em 03/03/2017, sobre as calls VALEC31, VALEC32, VALEC33 e VALEC34, até hoje (17/03/2017). O resultado é que a operação poderia ser zerada (carregando até o fim das operações no pregão normal) com ganhos acumulados de 205,6% (claro, é um estudo e não estamos considerando aqui custos de transação, questões ligadas às indivisibilidades na compra das calls, etc...).

Confira os resultados (AQUI).

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Crisis? What crisis?

Tomei emprestado, para o título deste post, o nome do 4o álbum (de 1975) do Supertamp (uma de minhas bandas favoritas de rock progressivo)!

Acompanhamos a trajetória de um pequeno exportador que buscou se hedgear com a venda de contratos futuros mini de taxa de câmbio R$/US$ (confira a montagem da operação AQUI e a análise da evolução desta operação AQUI). Contratos futuros não são exclusivamente destinados a investidores com a finalidade de hedge. Consideremos um pequeno investidor que tivesse investido R$ 38.414,78 em 31/12/2015 na compra de Tesouro IPCA+2035 (ao preço de R$ 697,94 por cada unidade deste título público). Então este investidor teria, em 17/06/2016, R$ 51.090,00 (preço a R$ 928,23 por cada unidade deste título público), que poderia servir de margem inicial para a venda de 10 contratos futuros mini de taxa de câmbio R$/US$. Ocorre que além de se beneficiar dos ganhos acumulados na conta margem, entre 17/06/2016 e 30/06/2016, que como vimos totalizaram R$ 25.020,00, também se beneficiaria da valorização de R$ 1.590,66 da sua aplicação, no mesmo período, no Tesouro IPCA+2035 (que em 30/06/2016 estava com o preço de R$ 957,13 por cada unidade desse título público). Assim, se o nosso pequeno investidor tivesse aplicado, em 30/12/2015, R$ 38.414,78 na compra do título público Tesouro IPCA+2035 e em 17/06/2016, tivesse utilizado o montante alcançado nesse título (no valor de R$50.900,00) como margem para a venda de 10 contratos futuros mini de taxa de câmbio R$/US$, alcançaria, em 30/06/2016, um total de R$ 77.770,66, que representa um ganho acumulado de R$ 39.285,88, ou 102,27 % no primeiro semestre de 2016, envolvendo apenas duas operações!

Detalhe, se o nosso bem sucedido investidor tivesse investido em 22/01/2016, R$ 36.264,36 no Tesouro IPCA+2035 (quando ofereceu a maior taxa acima do IPCA em 2016, a 7,78% a.a., com preço de compra de R$658.87), alcançaria o mesmo montante final de R$ 77.770,66, em 30/06/2016, o que representa um ganho acumulado de R$ 41.436,30, ou 114,26% em pouco mais de 5 meses!

Tesouro IPCA+2035... estudaremos mais sobre este e outros títulos publicos oferecidos pelo Tesouro Direto (confira o excelente site do Tesouro Direto AQUI) em futuros posts aqui neste blog!

Vale lembrar que é fundamental fazer uma análise de risco cuidadosa e detalhada de cada operação, o que também será objeto de estudo de futuros posts aqui neste blog!

Finalmente, vale observar que as informações contidas neste post são apenas estudos ou opiniões pessoais e não representam, de maneira alguma, recomendações de investimento, isentando o Paulo C. Coimbra's Blog de qualquer responsabilidade resultante da tomada de decisão financeira com base no conteúdo aqui apresentado. Confira o aviso/disclaimer neste blog.

Hedge com contratos futuros mini de taxa de câmbio de R$/US$ (final)

Em 22/06/2016 (AQUI) foi apresentado uma operação envolvendo contratos futuros mini de taxa de câmbio de R$/US$, onde ilustramos a situação de um exportador que estava preocupado com a possibilidade de valorização da taxa de câmbio do real em relação ao dólar comercial até o momento (futuro) em que estava para receber dólares e convertê-los para reais (em 01/07/2016) .

Consideramos a possibilidade de que o nosso pequeno exportador estivesse aguardando receber US$ 100,000.00 em 01/07/2016 e,  visando se proteger ante a uma eventual perda decorrente da valorização na cotação futura da taxa de câmbio de reais por dólar comercial, tenha decidido (em 17/06/2016) vender 10 contratos futuros mini de taxa de câmbio de R$/US$ com vencimento em 01/07/2016 (código WDON16) por R$ 3.460,00 / (1.000 x US$). Vimos que apesar do volume financeiro da operação ter sido de R$ 346.000,00 era necessário que se dispusesse apenas de 15% desse valor, R$ 51.090,00 para ser utilizado como margem inicial nesta operação.

A tabela a seguir apresenta, de 17/06/2016 até 30/06/2016, o preço de ajuste, o valor de ajuste e a posição na conta margem e a valorização/desvalorização acumulada na conta margem, lembrando que como o nosso exportador está numa posição vendida então ajustes negativos representam créditos e ajustes positivos representam débitos em sua conta margem.

As fórmulas utilizadas para o cálculo do valor do ajuste diário no dia em que a operação é montada e nos dias subsequentes (que prevalecem até a data anterior ao vencimento) foram apresentadas no post anterior (AQUI).


Tabela 1 - Acompanhamento da conta margem do nosso exportador

    Data             Preço de ajuste   Valor do ajuste   Posição na     Valorização/
                       [R$/(1.000 US$)]      diário (R$)          conta        desvalorização
                                                                              margem (R$)   acumulada

17/06/2016          3.439,2250          -2.077,50          53.167,50           4,07 %
20/06/2016          3.405,5700          -3.365,50          56.533,00         10,65 %
21/06/2016          3.402,789               -278,10          56.811,10         11,20 %
22/06/2016          3.385,442            -1.734,70          58.545,80         14,59 %
23/06/2016          3.358,494            -2.694,80          61.240,60         19,87 %
24/06/2016          3.380,278             2.178,40          59.062,20         15,60 %
27/06/2016          3.402,573             2.229,50          56.832,70         11,24 %
28/06/2016          3.307,459            -4.511,40          61.344,10         20,07 %
29/06/2016          3.245,142          -11.231,70          72.575,80         42,05 %
30/06/2016          3.209,800            -3.534,20          76.110,00         48,97 %

Fonte dos preços de ajuste do contrato futuro mini de taxa de câmbio R$/US$: BMF&Bovespa.



Assim, o nosso pequeno exportador acumularia um ganho de R$ 25.020,00 na venda de 10 contratos futuros mini de taxa de câmbio R$/US$ e se vendesse os US$ 100,000.00 recebidos neste dia 01/07/2016 pela cotação de abertura (R$ 3,2244 / US$, às 09:09) teria em sua conta R$ 347.460,00 (soma dos ganhos decorrentes da venda de 10 contratos futuros mini de taxa de câmbio R$/US$ com a venda dos US$ 100,000.00), valor 0,42% acima dos R$ 346.000,00 que ele desejou alcançar quando montou a sua operação de hedge.

Finalmente, vale observar que as informações contidas neste post são apenas estudos ou opiniões pessoais e não representam, de maneira alguma, recomendações de investimento, isentando o Paulo C. Coimbra's Blog de qualquer responsabilidade resultante da tomada de decisão financeira com base no conteúdo aqui apresentado. Confira o aviso/disclaimer neste blog.

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Brexit precificado.

A decisão pela saída da Grã-Bretanha da União Européia quebrou o ritmo da euforia desencadeada nos mercados mundo afora desde o início da semana (após o resultado de três pesquisas divulgadas no último fim de semana que apontavam o crescimento das intenções em permanecer na União Européia). 

Os índices das bolsas, que de segunda a quinta acumularam altas significativas, entre os fechamentos da sexta passada (17/06/2016) e desta última quinta (23/06/2016), desabaram nesta nesta sexta, após o resultado pela opção “Brexit” (com 51,9% dos votos). Ao longo do dia estamos verificando quedas acompanhadas de volumes elevados, nos principais mercados. Na Ásia e na Europa os principais índices já fecharam. Em Tóquio o índice Nikei fechou em queda de 7,92%, o índice DAX, da bolsa de Frankfurt registrou queda de 6,82% e o CAC-40, da bolsa de Paris caiu 8,04%. Segundo estimativas da agência reuters, as ações mundiais perderam valor em mais de US$ 2 trilhões nesta sexta-feira. Com as commodities e moedas de países emergentes não foi diferente.

Se um amigo meu estivesse vendido em risco, seguindo as apostas pela permanência da Grã-Bretanha, numa hora dessas, diante desta ressaca dos mercados mundiais nesta sexta-feira, ele estaria amargando as suas perdas repetindo conformadamente a sua frase emblemática: “Tá no preço”. De fato, todo esse alvoroço nada mais é do que uma precificação que os agentes estão fazendo diante desta notícia que vem de encontro com a expectativa formada nos últimos dias a respeito da possibilidade de permanência da Grã-Bretanha na União Européia (alimentados pelas pesquisas divulgadas no último fim de semana). Com um pouquinho de atenção, pode-se notar que, de um modo geral, os mercados estão dando sequência aos movimentos observados até a sexta-feira passada, quando o “Brexit” era tido como o mais provável.

Por aqui as reações não foram muito diferentes, o Ibovespa abriu em gap de queda e permanece em queda, com negociações de volta aos níveis de sexta-feira passada. Por sua vez, a taxa de câmbio do real em relação ao dólar está subindo (como se poderia esperar), mas devido a expectativa de intervenções por parte dos bancos centrais, visando amenizar os impactos da saída da Grã-Bretanha da União européia, logo após os primeiros 30 minutos de negócios observa-se que segue cotado abaixo dos níveis negociados na sexta-feira da semana passada (17/06/2016). Mas, o que chama a minha atenção é que, observando-se o contrato futuro de taxa de câmbio real por dólar comercial do mês de julho (WDON16), pode-se notar que ainda existe um pequeno gap, quase imperceptível, que aparece quando notamos a mínima (considerando o gráfico com intervalos de 15 minutos) nos últimos 15 minutos de negociação da quinta-feira da semana passada (16/06/2016) quando se atingiu a cotação de R$3.475,00/(1.000 US$). Os desdobramentos neste fim de semana determinarão se Ibovespa caminhará na direção de testar o suporte aos 48.000 pontos e se este pequeno gap em WDON16 se fechará logo, ou não.

O que isto significa? Significa que após a trégua dos últimos quatro dias, seguida pela euforia nos mercados, a aversão ao risco voltou, alimentada sobretudo pelo receio de contágio de saída da União Européia por parte dos italianos e franceses. O ouro, que chegou a subir mais de 8%, registrando a maior alta desde a crise de 2008, deixa claro que os temores estão em alta. O cenário externo desfavorável deverá ser acompanhado com muita atenção, sobretudo no tocante a possíveis anúncios de medidas intervencionistas por parte de bancos centrais e será determinístico na decisão sobre a taxa Selic, na próxima reunião do Copom, e  nos dirá muito sobre a percepção de Goldfajn e sua equipe.

terça-feira, 21 de junho de 2016

Hedge com contratos futuros mini de taxa de câmbio de R$/US$



Nos mercados futuros negociam-se direitos sobre alguma mercadoria ou objeto financeiro. No Brasil, dentre as mercadorias negociadas destacam-se soja, café, milho e boi gordo enquanto que dentre os ativos financeiros há destaque para os contratos de DI 1 dia, dólar e Ibovespa.

Visando popularizar os mercados futuros, a BM&FBovespa disponibiliza contratos futuros mini de alguns desses ativos, como, por exemplo, o Ibovespa e o dólar comercial, que diferem dos contratos usuais pelo tamanho dos contratos, correspondendo a um percentual dos respectivos contratos padrões.

A utilização de mercados futuros como proteção, ou hedge, tem papel de destaque. Consideremos, a título de ilustração, o caso de um pequeno exportador que pode estar preocupado com a possibilidade de uma valorização da taxa de câmbio de real em relação ao dólar comercial, no momento (futuro) em que está para receber dólares e convertê-los para reais, que poderá ser tal que leve a um prejuízo nos seus negócios - considerando-se todos os custos e riscos envolvidos. Assim, ele poderia vender contratos futuros mini de taxa de câmbio de reais por dólar comercial (que é baseado na cotação de venda, divulgada pelo Bacen) visando se proteger ante a uma eventual perda decorrente da queda na cotação futura da taxa de câmbio de reais por dólar comercial. Os contratos futuros mini de taxa de câmbio de reais por dólar comercial são negociados com vencimentos mensais cotados em R$ por 1.000 (mil) US$, com uma casa decimal. O tamanho do contrato futuro mini de taxa de câmbio de reais por dólar comercial é de US$ 10,000.00. Desse modo, o volume de cada contrato futuro mini de taxa de câmbio de reais por dólar comercial é dado por R$/(1.000 x US$) x US$ 10,000.00. Ou seja, cada variação de R$ 1,00 na cotação do contrato futuro mini de taxa de câmbio de reais por dólar comercial corresponde a uma variação de R$ 10,00 na margem do contrato. A data de vencimento e liquidação se dá no primeiro dia útil do mês de vencimento do contrato e o último dia de negociação é o dia útil anterior à data de vencimento do contrato. Utiliza-se o prefixo WDO para se referir ao contrato futuro mini de taxa de câmbio de R$/(1.000 x US$). Os contratos são disponibilizados com vencimentos em todos os meses, utilizando-se, para cada mês, uma letra no código de negociação, para referenciar o referido mês: Janeiro (F), Fevereiro (G), Março (H), Abril (J), Maio (K), Junho (M), Julho (N), Agosto (Q), Setembro (U), Outubro (V), Novembro (X) e Dezembro (Z). Assim, por exemplo, o contrato futuro mini de taxa de câmbio de R$/(1.000 x US$) com vencimento em julho de 2016 é negociado com o código WDON16. Finalmente, as negociações ocorrem nos dias úteis das 9:00h às 18:00h

A operacionalização nos mercados futuros se dá através da utilização de margens, que essencialmente são um percentual do valor da operação e que são utilizadas como um mecanismo que oferece garantias de que os compromissos serão honrados. As margens definem o grau de alavancagem em um determinado mercado e variam de acordo com as mercadorias e ativos financeiros, de modo a refletirem os riscos associados.

Por exemplo, suponha que o nosso pequeno exportador esteja para receber US$ 100,000.00 em 01/07/2016 e que em 17/06/2016 ele tivesse vendido 10 contratos futuros mini de taxa de câmbio de R$/US$ (código WDON16) por R$ 3.460,00 / (1.000,00 x US$). Assim, o volume financeiro resultante da venda de 10 contratos futuros mini de taxa de câmbio de R$/(1.000 x US$), teria sido de R$ 346.000,00. Por se tratar de um valor que virá a ser recebido no futuro a cotação na data do vencimento poderá estar abaixo (o que daria lucro para o vendedor) ou acima (acarretando em prejuizo para o vendedor), uma margem inicial é então requerida, em geral de 15%, que no caso seria de R$5.109,00 por contrato, o que significa uma alavancagem de 1 para 6,67. Ao final de cada pregão, a BM&FBovespa determina o preço de ajuste para cada contrato em aberto, sobre o qual será feito o ajuste diário de todas as posições. No exemplo, o pequeno exportador disponibilizaria R$ 51.090,00 como margem de garantia. Vale ressaltar que títulos públicos federais e ações podem ser utilizados como margem de garantia, mas neste caso ficam bloqueados.

O ajuste diário das posições no dia em que é fechado o negócio se dá de acordo com a fórmula abaixo:

AD t = (PA t – PO) × (10.000 US$) × n

onde: AD t = valor do ajuste diário;
PAt = preço de ajuste do dia;
PO = preço da operação;
n = número de contratos.

O valor do ajuste diário (AD t), calculado de acordo com a fórmula acima, se positivo, é creditado ao comprador e debitado ao vendedor. Caso o valor seja negativo, será debitado ao comprador e creditado ao vendedor.

No caso de nosso pequeno exportador, o preço de ajuste em 17/06/2016 foi de R$ 3.439,2250 / (1.000 x US$), logo:

ADt = [R$ (3.439,2250 – 3.460,0000)/(1.000 x US$)] × (US$ 10,000.00) × 10 = -R$ 2.077,50.

Portanto, haveria um crédito na conta margem (pois o pequeno exportador de nosso exemplo está numa posição vendida), que passaria a ser (no dia 20/06/2016) de R$ 53.167,50 (R$ 51.090,00 + 2.077,50), após o ajustamento. Uma valorização de 4,07% na conta margem no dia 17/06/2016 (sem considerar corretagens e outras taxas).

Já com relação às posições em aberto, o ajustamento se dá de acordo com a fórmula:

AD t = (PA t – PA t–1) × (10.000 US$) × n

onde: PA t–1 = preço de ajuste do dia anterior.

Continuando o exemplo do nosso pequeno exportador, no final do dia 20/06/2016 o preço de ajuste foi de R$ 3.405,570/(1.000 x US$). Neste caso, o ajuste terá sido de:

ADt = [R$ (3.405,5700 – 3.439,2250)/(1.000 x US$)] × (10.000 US$) × 10 = -R$ 3.365,50.

Portanto, haveria um novo crédito na conta margem, que passaria a ser (no dia 21/06/2016) de R$ 56.533,00 (R$ 53.167,50+ 3.365,50) após o ajustamento. Uma valorização de 10,65% na conta margem do dia 17/06/2016 ao dia 20/06/2016 (sem considerar corretagens e outras taxas).

Na primeira hora de negociação no dia de hoje (21/06/2016) o preço do contrato futuro mini de R$/(1.000 x US$) alcançou a cotação mínima de R$ 3.365,00. Se, por exemplo, este menor preço da primeira hora de hoje vier a se confirmar como sendo a cotação de ajuste de hoje, então o ajuste ao final do dia seria de:

ADt = [R$ (3.365,00 - 3.405,5700)/(1.000 x US$)] × (10.000 US$) × 10 = -R$ 4.057,00.

Portanto, haveria um novo crédito na conta margem, que passaria a ser (no dia 22/06/2016) de R$ 60.590,00 (R$ 56.533,00+ 4.057,00) após o ajustamento. Assim, sob esta hipótese de se verificar o preço de ajuste do dia de hoje como sendo igual ao menor preço verificado na primeira hora de negociação de hoje, haverá, então, uma valorização de 18,59% na conta margem do dia 17/06/2016 ao dia 21/06/2016 (sem considerar corretagens e outras taxas).

E assim por diante...

Em 01/07/2016 voltaremos a comentar sobre esta operação deste pequeno exportador que vendeu 10 contratos futuros mini de R$/(1.000 x US$), analisando a trajetória de sua operação.

O contrato futuro mini de taxa de câmbio de R$/US$ poderia também ser utilizado como hedge por um importador, que deseja se proteger ante a uma determinada desvalorização do real em relação ao dólar comercial. Assim, um importador assumiria uma posição reversa à apresentada neste post, isto é, compraria contratos futuros mini de taxa de câmbio de R$/(1.000 x US$) visando se proteger.

Finalmente, vale observar que as informações contidas neste post são apenas estudos ou opiniões pessoais e não representam, de maneira alguma, recomendações de investimento, isentando o Paulo C. Coimbra's Blog de qualquer responsabilidade resultante da tomada de decisão financeira com base no conteúdo aqui apresentado. Confira o aviso/disclaimer neste blog.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Brexit em baixa, valorização do real e expectativas de inflação.


Três pesquisas realizadas no último fim de semana, e divulgadas a três dias do referendo (conhecido como Brexit), dão sinais de que os que os britânicos que são favoráveis à permanência da Grã Bretanha na União Européia estão ganhando força. o que se refletiu em um forte impulso à libra esterlina nesta segunda-feira (20/06), que chegou a subir 2,1%, atingindo a cotação máxima em relação ao dólar em três semanas, a US$ 1,4673. Aguardemos novos desdobramentos até quinta (23/06), dia do plebiscito, mas ao que parece, esta tendência deve se confirmar, o que já vem se refletindo em um certo alívio e ânimo para os mercados internacionais, com reflexos na Bovespa. As moedas, como um todo, também se valorizam em relação ao dólar. Por aqui não foi diferente, com valorização do real em relação ao dólar, cotado abaixo de R$ 3,40 – queda superior a 5% no mês de junho. Sem interferência do Bacen, o provável é que, em se confirmando a permanência da Grã Bretanha na União Européia, o real deverá continuar esse movimento de valorização em relação ao dólar... exceto, claro, por novidades no cenário político que tenham desdobramentos no governo Temer.

O socorro ao Estado do Rio de Janeiro ofuscou em parte o discusso de posse de Goldfajn, da segunda passada. O problema maior está no contágio para outros estados e seus possíveis impactos e desdobramentos na condução da política econômica, foi dada a largada para as renegociações das dívidas dos estados, mas é Meirelles que está no front desta batalha!

As expectativas dos analistas de mercado consultados pelo Boletim Focus, do Bacen, que pela quinta semana consecutiva revisam para cima as expectativas de inflação, medida de acordo com o IPCA, passando de 7,19% da semana retrasada, para 7,25%, mantendo as previsões para a taxa Selic ao final de 2016 em 13%... Estariam os analistas querendo testar a disposição de Goldfajn e sua equipe em "circunscrever" o IPCA aos limites estabelecidos pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para 2016, e assim ajustar a taxa Selic de modo que a inflação, medida pelo IPCA, não supere os 6,5%? A próxima reunião do Copom tem muito a nos dizer!

domingo, 19 de junho de 2016

Minecraft -- keep calm and code on: Stephen Foster at TEDxUCSD


Segunda guerra mundial, Alan Turing, criptografia, von Neumman, bomba atômica, Wilson Churchil, computação... e Minecraft!

Vale à pena assistir este vídeo de Stephen Foster da University of California at San Diego para a TED...

E vale ainda mais à pena aprender a fazer código, a programar... Minecraft é um bom início para todos! Alguns de meus posts serão sobre códigos, linguagens de programação, softwares, apps... com viés para economia e finanças, naturalmente... E, naturalmente, Minecraft mods!


sábado, 18 de junho de 2016

De volta ao tripé econômico: os desafios da equipe de Temer

Este é o titulo do artigo que escrevi, sobre a atual conjuntura econômica, publicado hoje (18/06/2016) na Revista Voto.

Confira no link abaixo:

http://www.revistavoto.com.br/site/noticias_interna.php?id=6802&t=De_volta_ao_tripe_economico_os_desafios_da_equipe_de_Temer


Conecte-se ao Paulo C. Coimbra's Blog!

Veja as opções abaixo e escolha uma das formas disponíveis.

i) Receba o blog por E-mail

Essa forma é muito simples, basta você ir até ali na barra lateral, colocar seu email no espaço indicado e clicar Submeter! Uma telinha vai abrir, você confirma as letras embaralhadas e pronto. Assim, você receberá os posts publicados na sua caixa de e-mails.

ii) Curta o Paulo C. Coimbra's Blog no Facebook

O blog agora tem uma nova interface de comunicação. É a página do blog no Facebook. Se você já é usuário do Facebook você poderá acompanhar os novos posts e comentários dos leitores direto na sua página do Facebook.

Para ter acesso basta "Curtir" ou "Like" na página do blog no Facebook

Como fazer isto? 

Basta procurar pela janelinha do Facebook ali na barra lateral do blog onde diz "Curta o Blog no Facebook" e clicar no botãozinho que diz "Like" ou "Curtir"... Ou então clique AQUI.

Se você já usa o Facebook basta clicar "Like" ou "Curtir" na página do blog. Fique sabendo o que as outras pessoas que lêem o blog estão conversando, quem são e tudo mais. 

Vai lá, põe o seu "polegar pra cima" e fique sabendo de tudo que rola aqui no blog!

iii) Siga o blog no Twitter

O meu twitter é @pccoimbra. Basta você clicar em seguir (follow) e pronto. 

No meu twitter (@pccoimbra) você vai ler sobre assuntos que não estarão aqui no blog, com entradas mais curtas e links para assuntos que cercam o meu universo e como eu os enxergo. 

É um "microblog" mais descontraido, onde discuto não somente sobre economia e financas, mas também sobre política, futebol (destacadamente sobre o meu querido Flamengo), cinema, música, enfim, sobre tudo o que me interessa e sob um ponto de vista bastante peculiar: o meu!

Os links para os posts do blog também aparecerão no Twitter.

iv) Assine o RSS Feeds ou o Atom

Receba o blog no seu leitor de feeds. Para assinar o blog basta clicar AQUI. Escolha o seu leitor de feeds preferido, e pronto.

Alternativamente você poderá assinar o Atom AQUI.

v) Mande um Email

Você sempre pode entrar em contato diretamente via email. 

O meu e-mail é: pc.coimbra@gmail.com

Quando você ler algo interessante, tiver uma sugestão, crítica, etc, basta mandar um email.

vi) Adicione aos Favoritos

Não esqueça de adicionar o blog na sua lista de Favoritos do seu browser!